O Spitfire cervejeiro

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Spitfire cervejeiro

Mensagem por marcelonascar em Sab Ago 24, 2013 10:43 am

Em um dos momentos mais leves da Segunda Guerra Mundial, o Spitfire foi usado em um papel pouco ortodoxo: trazendo barris de cerveja para os homens na Normandia.
Durante a guerra, a Heneger e a Constable Brewery doaram cerveja de graça para a tropa.
Depois do Dia D, o abastecimento das tropas de invasão na Normandia com suprimentos vitais já era um desafio. Obviamente, não havia espaço na cadeia logística para luxos tais como a cerveja ou outros tipos de bebidas. Alguns homens, fornecedores, foram capazes de obter vinho ou outras sutilezas do país e dos habitantes locais
Os pilotos da RAF Spitfire tiveram uma idéia ainda melhor.
O Spitfire Mk IX era uma versão evoluída do Spitfire, com suportes sob as asas para bombas ou tanques. Foi descoberto que os de bomba poderiam também ser modificados para transportar barris de cerveja. De acordo com imagens que podem ser encontradas na NET, vários tamanhos de barris foram utilizados. Se os barris poderiam ser descartados em caso de emergência é desconhecido. Se o Spitfire voasse alto o suficiente, o ar frio em altitude gelava a cerveja, tornando-a pronta para o consumo no momento da chegada.
Uma variação deste método foi um depósito de combustível de longo alcance, modificado para transportar cerveja em vez de combustível. A modificação ainda recebeu um designativo oficial “XXX”.
Os serviços de propaganda foram rápidos em saber disto, o que provavelmente explica o uso do designativo do projeto oficial.
Como resultado, os Spitfires equipados com a Mod XXX os Pilões portadores de barril eram frequentemente enviados de volta para a Grã-Bretanha para manutenção ou funções de ligação. Eles, então, retornavam para a Normandia com barris de cerveja cheios montados sob as asas.
Entretanto, o Ministério britânico das Receitas e Impostos Especiais de Consumo entrou em cena, notificando as cervejarias que eles estavam violando a lei de exportação de cerveja, sem pagar os impostos correspondentes. Parece que Mod. XXX foi então encerrada, mas vários esquadrões encontraram saídas diferentes para reabastecer seus estroques. Na maioria deles, isso foi feito com a aprovação oficial de escalões mais altos.
Em seu livro, Dancing in the Skies, Tony Jonsson, piloto islandês servindo na RAF, lembrou que o reabastecimento de cerveja era executado quando ele estava voando com o 65th Squadron.
Toda semana, um piloto era enviado de volta ao Reino Unido para encher alguns tanques com cerveja e voltar para o esquadrão. Qualquer pessoa que fizesse um pouso duro e perdesse o tanque seria o homem mais odiado na esquadrão por uma semana inteira.
Em seu livro Typhoon o Piloto Desmond Scott recorda também os tanques descartáveis Typhoon cheios de cerveja, mas lamentou que ela adquiria um gosto metálico.
Técnicas menos imaginativas envolviam garrafas escondidas onde quer que o espaço poderia ser encontrado na aeronave, que incluiu as caixas de munições, compartimento de bagagem ou mesmo em partes da asa, com resultados variados. Garrafas de champanhe, em particular, não reagiam bem às vibrações que foram submetidas durante essas viagens engarrafadas.







avatar
marcelonascar

Mensagens : 218
Data de inscrição : 23/08/2013
Idade : 41
Localização : Ribeirão Preto

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum